terça-feira, 18 de setembro de 2012

Sempre estrangeiro



"Sacudi o suor e o Sol. Compreendi que destruíra o equilíbrio do dia, o silêncio excepcional de uma praia onde havia sido feliz. Então atirei quatro vezes ainda num corpo inerte em que as balas se enterravam sem que se desse por isso. E era como se desse quatro batidas secas na porta da desgraça."

Nenhum comentário:

Postar um comentário