sexta-feira, 22 de junho de 2012

livre [com (dos) os] outros

"Só possuo meu corpo; um homem inteiramente sozinho, que só tem o seu corpo, não pode reter as lembranças; elas passam através dele. Não deveria me queixar: tudo o que quis foi ser livre." A Náusea




Outro, outra aurora. Quiça alvorecer.


Alguns se isolam por rejeição, uns por opção e outros por acidente. Definha-se e nem percebe-se. Ou percebe-se  dolorosamente, tão demoradamente que é possível ver soltar de si escamas a juntar-se à palha e espalhar-se ao vento. Não há mais corpo junto ao verbo. Sempre com a mesma canção. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário