sexta-feira, 2 de setembro de 2011

O renascer da Puta Estrelada

A Puta, tão bela, seus olhos fechou.
A Puta, tão casta, seu corpo tombou.
Sua face, estrelada, docemente reluziu.
Seu torso, acavalado; suas pernas abriu.




(continua...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário