quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Silêncio

O Silêncio que anestesia
a minh'alma ressequida,
de mortal sinestesia
enche minha vida.
...
O Silêncio que amordaça
o meu pranto interior,
aquilo que me ameaça
versa com rigor.
...
O Silêncio que protege
acena para a morte.
É o mesmo que impede
o lançar da minha sorte!
...

Nenhum comentário:

Postar um comentário