segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Quem nunca sofreu um surto mnemônico involuntário?




"Quais as canções que cantavam as Sereias ou que nome Aquiles adotou quando se escondeu entre as mulheres são questões que, embora intrigantes, não se acham além de toda a conjectura." Sir Thomas Browne




As coisas mais especiais da vida são, indubitavelmente, os detalhes! Ahh, os detalhes! São os detalhes que tornam a existência, vida. As coisas grandes são notadas com facilidade e por qualquer um, mas as coisas pequeninas, bom, essas são percebidas por quem tem uma sensibilidade, de certa forma, exacerbada.
Perceber que uma gargalhada na verdade soa como uma melodia; que um simples movimento parece toda uma coreografia, por muitas vezes, ensaiada; perceber que uma camisa listrada mais parece um arco-íris monocromático; perceber que cada frase parece um poema metrificado; perceber que uma única palavra transformou toda uma vida.
Ahh, os detalhes! Lembramos com mais vivacidade deles do que das coisas “grandiosas”. Cada surto mnemônico que temos tem o poder de ressuscitar um instante demasiado perfeito das nossas vidas.
Quem é capaz de perceber os detalhes carinhosamente cedidos pela natureza tem o privilégio de viver em um mundo austero e para poucos.

Perceber o barulho feito por folhas secas quando as pisamos perceber a mudança de temperatura na palma da mão quando nos aproximamos de quem nos causa palpitações perceber quais cantos da boca são cuidadosamente tocados em um beijo apaixonado perceber quantos segundos de olhares indecentes são necessários para nos fazer enrubescer perceber a posição que o corpo tomou forma antes de abrir os olhos ao acordar perceber as inspirações e as expirações em um tocar de gaita perceber quantos floquinhos de açúcar sobraram no meio dos dentes depois do algodão doce perceber qual parte do seu corpo foi docente tocado pelo vento em um fim de tarde perceber a velocidade do piscar dos olhos quando sentimos medo perceber o modo como nos protegemos no abraço de quem amamos perceber os desenhos que o pôr do sol traceja no céu no crepúsculo da tarde perceber quantos centímetros te separam de quem te faz estremecer perceber quais notas musicais arrepiam sua espinha perceber que noite do ano tem o clima mais agradável perceber que hora do dia o sol fica exatamente sobre sua cabeça perceber quanto tempo o sangue demora pra voltar pra cabeça depois de um susto perceber que cheiro tem o lençol da cama a noite perceber que cada instante é infinito

2 comentários:

  1. Complexo de Amélie? Srª detalhitas! rs... intrigante e revelador ao olhos de um bom perceptor! ;)

    ResponderExcluir
  2. É preciso prestar atenção nos detalhes pra perceber quando as coisas não valem mais à pena.

    ResponderExcluir