domingo, 28 de fevereiro de 2010

Ψέμα

Por que as pessoas “esquecem” de contar a parte mais importante da história?

..........................................................Se tudo o que há é mentira
......................................................... É mentira tudo o que há.
..........................................................De nada nada se tira,
.........................................................A nada nada se dá.
.........................................................................(Fernando Pessoa)

.......................................Embora mintas bem, não te acredito;
.......................................Perpassa nos teus olhos desleais
.......................................O gelo do teu peito de granito...
........................................................................(Florbela Espanca)

“A mentira exige invenção, dissimulação e memória”
Friedrich Nietzsche

Às vezes é necessário desafogar o coração.

Sabe quando você olha um alguém e o mundo pára, o céu empola de estrelas e você consegue ouvir o som do universo girando? Tudo o que você consegue desejar é que aquele momento se eternize, mas aí já é tarde demais, o mundo já está correndo, as estrelas sumiram e o único som que você consegue ouvir é aquele funk – amassa a latinha - meio ao longe.

Talvez possa ser uma curiosidade interessante, para alguns, saber que a palavra PAIXÃO tem sua origem no grego PATHOS, que posteriormente originou também a palavra PATOLÓGICO. Não há como negar, toda paixão é um excesso, de fato, uma doença. Catástrofe catástrofe catástrofe!

Mas sabe o que é pior nessa loucura toda? A ausência da verdade. Todo mundo que me conhece um pouquinho mais, sabe que meu livro favorito, praticamente minha bíblia, é A Náusea, por isso o nome do blog. Esse livro é uma bíblia porque, incrivelmente, eu acho tudo o que eu preciso lá, e dessa vez não foi diferente. O protagonista do romance, Antoine Roquentin, diz sabiamente “seria preciso, antes de mais nada, que os começos fossem começos verdadeiros.”. Mas não existe verdade em começos de paixões, por isso a maioria termina sem mesmo começar. Por que? Simples. Você se apaixona sempre por um espectro, algo que existe somente na sua mente, porque a realidade não condiz, mesmo, com as suas “lembranças”. Resumidamente você se apaixona sempre por mentiras, por isso que a personagem Garcin em Entre quatro paredes diz “eu não vou te amar: eu te conheço demais pra isso.”

Soaria estranho se eu afirmasse que a base de toda relação social é a mentira? As mentiras são mais charmosas, mais instigantes, elas têm o poder de mexer com os sentidos, os pensamentos, e, infelizmente ou não, com os sentimentos. Se suprimissem todas as mentiras do mundo, as profecias Maias cairiam por terra porque muito antes de 2012 (leia, muito antes do século XXI) não mais existiria mundo. As mentiras são sim necessárias para manter a ordem social, então por que tentam ensinar que só devemos dizer a verdade se até isso é mentira?

Mas a grande sacada aqui é, se nos apaixonamos perdidamente por mentiras porque sempre dizemos aquela frase clichê “por que ninguém me contou a verdade?”. Ora bolas, você estava apaixonado por mentiras agora quer requerer a verdade? Com que direito? Não há dúvida, pelo menos para mim, que estar apaixonado é enganar-se, mentir pra si mesmo e permitir que mintam pra você. Sapos nunca viram príncipes quando os beijamos, mas olham pra gente com aqueles grandes olhos, coaxam estranhamente e se vão. É isso! Sem 2% para mais ou para menos.

Nesse período de transição entre sair do emaranhado de mentiras e entrar no poço sombrio da verdade, alguém sempre sai machucado, possivelmente aquele que tem o coração menos traiçoeiro.


Você fica como tapete atrás da porta se perguntando como pôde ter sido tão inocente em acreditar no impossível, você fica lembrando de cada palpitação frenética que o seu coração dava, em vão, e um conjuntinho de palavras não sai da sua cabeça – 'tem uma coisa que eu “esqueci” de contar' –. Aí você corre para se reinventar, se reciclar de fato, enquanto muralhas permanecem imóveis, intocáveis, intactas.

E NO FINAL DO DIA VOCÊ SÓ TEM UM BALDE DE MENTIRAS JUNTO AOS PÉS.





................................................................................................................



7 comentários:

  1. Achei
    Achei Lindo
    Te acho fodah!
    Passa no www.lisieux-marie.blogspot.com
    E diz o que achou!
    Um beijo florzinha!

    ResponderExcluir
  2. FANTÁSTICO!!
    E em torno da mentira gira falsamente alegre nosso mundo azul...
    thyally louyse

    ResponderExcluir
  3. Eu disse tanto, mas ainda estou cheia de lágrimas.

    ResponderExcluir
  4. Amiga, penso que as lágrimas são como o suor que precisa existir para manter a temperatura do corpo...rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. Adorei!Mas esses meus sofrimentos duram no máximo um dia, então...posso dizer que a temperatura está controlada.

    ResponderExcluir
  6. Interessante esse seu pontos de vista sobre a mentira e acredito nisso também, mas refletirei mais sobre...
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir