segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Pai

Pai,
criaste-nos Tua imagem e semelhança
deste-nos Teu fôlego de vida
mas em mim já não arde esperança
de permanecer nessa existência sofrida

Pai,
no princípio eras Tu o verbo
e se fizes-Te santa carne viva
eu apenas fiz-me servo
para ter direito a vida

Mas Pai,
a Ti não me assemelho
minha carne não é santa
peço que de gozo
Vós possa me encher
e que carne viva
um dia eu possa ter.


Começando a compor minha antologia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário